segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Dica Rápida de VERÃO #1

Bellyssimas!!!

O BellyMama a partir de hoje inicia a postagem de DICAS RÁPIDAS DE VERÃO!!!!
Serão posts curtinhos, mas com dicas super quentes, que irão deixar os dias de sol ainda mais deliciosos!!!

Agora para TUDOOOO!!!!! Que a DICA DE HOJE É BAPHOOO!!!!!



CARREGADOR SOLAR PARA IPHONE!!! 

Quando você pensava que não poderia registrar aquele beach moment porque a bateria do seu Iphone estava no fim, e coqueiros ainda não têm tomada... 

Eis que a grife Sofia lança pra o nosso deleite um gadget de bambu que usa energia solar para carregar o celular enquanto a gente curte a praia! Por módicos 292 dinheiros! Cadastre-se no site da www.sofiabyvix.com.br (local onde é vendido o carregador) e ganhe cupons de desconto no frete!!!

Por um verão mais eco-tecnológico!!!!!!! =D

Beijocas mil!!!!

sábado, 23 de novembro de 2013

Entrevista exclusiva com o Grupo Mater

Bellyssimas, queridas!

É com imenso prazer que publico hoje a entrevista exclusiva feita com o Grupo Mater, que já foi assunto aqui no Belly Mama! Mamães magníficas que inspiraram a mim e muitas outras mulheres a dançar lindamente com seus filhotes!

Já de antemão, quero agradecer profundamente o carinho e a generosidade de cada uma de vocês do Grupo Mater que tirou sua horinha de descanso preciosa para nos presentear com esta entrevista tão especial!!!




1.      Olá mamães bailarinas! Parabéns, primeiramente, pelo trabalho lindo de vocês! É muito emocionante assisti-las dançar com seus filhotes, imagino que ao vivo seja mil vezes mais lindo! Como surgiu a ideia do Grupo Mater?

Obrigada pelo carinho. Para nós é uma honra ter um espaço como este para divulgar este trabalho que tanto amamos. O Grupo Mater foi idealizado graças à parceria das bailarinas Juliana Leme e Natalia Salvo que já trabalhavam juntas na Dança do Ventre desde 2007. Como engravidaram na mesma época, puderam compartilhar a experiência da Maternidade tanto com vivências dedicadas às gestantes, como integrando as áreas adjacentes com as quais trabalham. Natalia é socióloga, ativista da maternidade ativa e pesquisadora sobre questões de gênero e violência obstétrica. Juliana é fonoaudióloga, especialista em Saúde da Família e trabalha com orientação à gestantes e mães de bebês sobre amamentação e desenvolvimento infantil.
O grupo surgiu com o objetivo de mostrar que a maternidade não deve ser limitante. Isto é, é possível conciliar carreira e maternidade. A mulher é capaz de continuar sua rotina integrando a criança nela. Isso tranquiliza a mãe, pois tem seu filho por perto, e o bebê, pois auxilia no seu desenvolvimento e traz a segurança que ele necessita.
A concretização do Grupo Mater só foi possível, graças às bailarinas Tatiana Lamas e Élide Paliliunas, respectivamente, Educadora Física e Gastrônoma, que aceitaram o convite de integrar o grupo com suas bebês e também com seus conhecimentos.
O que as pessoas geralmente não sabem, é que o grupo surgiu como fruto de muita pesquisa. Ele vai além de simplesmente dançar com o bebê, mas requer todo um suporte à mãe durante e após a gestação.


2.       Há quanto tempo vocês estão envolvidas com a Dança do ventre?

Este tempo varia de 8 a 18 anos. Cada bailarina do grupo tem uma história diferente com a Dança. Embora não seja necessária experiência prévia para dançar com o bebê, apenas uma profissional (ou profissionais) que sejam especializadas no assunto.


3.       Como é dançar com os bebês?

É um momento sublime! Costumamos dizer que não existem palavras para expressar essa emoção, por isso dançamos. A dança fala por si. É uma oportunidade de transcender qualquer forma de comunicação já vivida. Fortalece o vínculo, traz segurança e tranquiliza o bebê e auxilia o desenvolvimento dele.


4.       Quais são as vantagens, dentro do ponto de vista de vocês, da dança do ventre com os bebês?

Algumas vantagens já citamos, como o fortalecimento do vínculo entre a mãe e o bebê, o desenvolvimento da linguagem, a segurança e tranquilidade do bebê. Para a mãe existe a vantagem de permitir que ela possa vivenciar algo além da rotina que a maternidade muitas vezes impõe. Ela encontra um espaço para cuidar de si sem abrir mão de ficar com seu bebê. A Dança do Ventre auxilia na gestação, no trabalho de parto e também ao corpo voltar para seu eixo. Claro que alguns cuidados são necessários, por isso frisamos a importância de ser um profissional especializado.


5.       E as desvantagens, se houverem, ou dificuldades?

Não existem dificuldades, desde que a mãe esteja bem orientada. Algumas têm dificuldade inicialmente ao uso do Wrap Sling. Há apenas algumas restrições dependendo de cada caso. Geralmente, terminando o período do resguardo (40 dias após o parto) a mulher já pode iniciar a dança. Porém, se ela fez uma cesárea, geralmente solicitamos alta médica, pois se trata de uma cirurgia muito extensa, e nem todos os tecidos cortados são suturados, portanto, a recuperação pode variar de organismo para organismo. Uma dificuldade que encontramos, nestes casos, é o desconhecimento médico sobre a dança direcionada às mães. Muitos médicos acreditam que a Dança do Ventre resume-se a movimentos abdominais e demoram cerca de 6 meses para liberar a mãe para esta atividade. Vale ressaltar, que a dança com bebês não visa a qualidade técnica do movimento e o preparo físico, mas sim os outros benefícios já mencionados e o bem estar físico.


6.       Qual foi a parte mais emocionante de todo o processo da dança do ventre com os bebês?

Creio que cada mãe viveu sua experiência, mas uma em que todas lembram com carinho foi a estreia do Grupo Mater no Mercado Persa. O Grupo foi ovacionado antes, durante e após a apresentação. As numerosas expressões de carinho de pessoas anônimas e celebridades da Dança Oriental nos emocionaram. E nos surpreendeu o enorme respeito que nosso trabalho recebeu.


7.       Já houve alguma apresentação em que algum bebê não quis participar? Se sim, como foi que vocês resolveram a situação?

Nunca. Mesmo durante os ensaios em períodos de calor. Eles adoram dançar. A aproximação com a mãe é tão prazerosa para o bebê que ele não deseja sair do sling. Vivenciamos situações engraçadas durante o período de ensaios. Deixávamos os bebês no chão brincando uns com os outros enquanto acertávamos detalhes da coreografia ou repetíamos incessantemente um determinado trecho e, quando ligávamos a música da coreografia, eles vinham engatinhando e ofereciam os bracinhos pedindo colo, como quem dizia “ei, essa é minha música, você não vai dançar comigo?”. Em duas de nossas apresentações, um dos bebês dormiu a apresentação toda e longo período após. Isso mostra como é confortável para o bebê.


8.       Vocês também são facilitadoras em encontros com mamães dançarinas do ventre, como é essa experiência?

Como já mencionamos, agregamos nossas outras áreas de atuação à Dança do Ventre para atender este público. Nossos encontros têm o objetivo de orientar e esclarecer alguns aspectos relacionados à gestação, parto, amamentação e maternidade; a troca de experiências, pois cada mãe traz sua bagagem de conhecimentos e valorizamos muito isso; e a dança propriamente dita que permeia as sensações que muitas vezes não podem ser expressas por palavras (pelo bebê que não saber falar e pela mãe que não sabe como traduzir esses sentimentos conflitantes que a maternidade traz ou tem medo de assumir devido às críticas que pode receber ao assumir suas inseguranças). É um momento rico! Nada como estar em companhia de pessoas que passam pela mesma experiência que nós! Agora estamos tentando viabilizar aulas regulares e estudando a possibilidade de levar o projeto para fora de São Paulo, devido aos inúmeros pedidos.


9.       Vocês indicam uma idade do bebê mais apropriada para ser iniciado na dança, ou é a partir do nascimento que vocês acreditam ser o tempo certo?

Sempre aconselhamos a mulher a respeitar o período de resguardo (40 dias após o parto), em caso de parto natural ou normal e alta médica, em casos de cesárea. Mais do que restrições físicas, acreditamos que após este período a mãe já conhece o temperamento do bebê, já estabeleceu alguma rotina com ele e sente-se segura para sair com o bebê.


10.   Dentre todos os tipos de carregadores de bebês no colo, por que o Wrap Sling?

De todos os carregadores percebemos que o Wrap Sling era o que trazia maior segurança para o bebê, pois ele fica protegido por 3 faixas de tecido posicionadas em 3 direções diferentes. Ele também dá mais liberdade para a mãe, pois distribui o peso igualmente entre os ombros, deixa os braços livres e as pernas do bebê não ficam expostas, dando segurança ao bebê e deixando livre a região do quadril.


11.   Quando vocês foram decidir pelo wrap, vocês tiveram alguma influência das mulheres indianas e africanas que utilizam sling para manter suas atividades diárias?

Sim, nos inspiramos em outras culturas adaptando à nossa realidade e tipo de atividade. Interessante mencionar isso, pois muitos brasileiros ainda não conhecem o Sling e acreditam tratar de algo novo, acreditam que o bebê fique apertado ou sufocado, mas se esquecem que ele passou toda a gestação “apertadinho” no útero e que isso traz segurança, permite que ele sinta o calor da mãe e ouça os sons do corpo dela, como fazia durante a gestação e isso o acalma.


12.   E os papais, eles participam dessa dança ou vocês acreditam que é um momento só mamãe-bebê?

Os pais são imprescindíveis na dança. Eles não só carregam as malas, filmam, fotografam e seguram os bebês enquanto nos arrumamos, eles são nosso suporte maior. São nossos maiores incentivadores, fazem questão de participar, dar palpite na coreografia e de carregar o bebê no sling fora das apresentações. É um momento de integração da família.


13.   Quais considerações finais vocês gostariam de deixar para as leitoras do Belly Mama?

A mensagem maior do Grupo Mater é que a Maternidade pode ser associada com a carreira e demais afazeres. Queremos que nosso trabalho plante na mente de todas as pessoas que a mulher, ao se tornar mãe, pode contribuir para o mercado de trabalho sem ter que abrir mão de estar com seu filho.
Acreditamos na maternidade ativa, na qual a mãe está sempre presente na educação do filho. Sonhamos com o dia em que todas as mães trabalhadoras possam ter berçários (obrigatórios por lei) no seu ambiente de trabalho para que possam amamentar seus bebês em Livre Demanda exclusivamente até os 6 meses e prolongar até 2 anos ou mais e possam também participar de forma ativa na sua educação, acompanhando de perto seu desenvolvimento.
Que nossa arte crie oportunidades para que as mulheres conheçam e exijam o cumprimento dos seus direitos como gestantes, puérperas e mães e que sejam respeitadas por esta condição. Disso depende o futuro da nossa sociedade.



E aí, Bellyssimas, vocês amaram esta entrevista tanto quanto eu? =D
Que declaração de amor pela vida, pela existência enquanto mulher, mãe, profissional, enfim, um exemplo para todos!!!

Mais uma vez muitíssimo obrigada pelas palavras de amor e incentivo concedidas pelo Grupo Mater!!!!

Um beijo enoorme!!!! E...

Preparem-se, Bellyssimas, pois esta semana iniciaremos o BellySummer!!!! Com postagens e dicas rápidas para deixar o seu verão ainda mais gostoso!!!!!!



quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Família Bagrianski - Amor e Integração com a Natureza




Minhas queridas Bellyssimas,

Antes de iniciar a falar sobre o assunto de hoje, quero pedir desculpas pela enooorme ausência de postagens aqui no blog! Mas tudo isso foi resultado de muito trabalho off-line!!! O mês de outubro e novembro abarrotados de trabalho e compromissos, somado com o final do ano chegando, fizeram eu ter que me ausentar da vida online =D



Mas hoje trago para vocês fotos de uma experiência familiar singular! Repleta de ternura, amor, sinergia com a natureza, com o próximo... Enfim, uma expressão total de afeto!!!

A família russa Bagrianski decidiu fotografar seus momentos de parto, que eram realizados em locais diferentes, mas sempre com a presença de um elemento: o MAR! Que tanto amo, que tanto me fascina e me enche de ernergia!

Na presença do mar, com toda a sua força de vida, os bebês Bagrianski nasceram, tendo não somente os braços da mamãe, mas também as ondas para abraçá-los!


A maioria das fotos foram feitas (entre os anos de 1986 e 1992) pelo pai Vladmir Bagrianski, que também aparece nestas com seus rebanhos... A esta coletânea de registros deu o nome de "Nascer no mar"...

Uma verdadeira explosão de amor e respeito! Parto totalmente humanizado, cercado de amor, de natureza, de vida!!!



A família é adepta dos ensinamentos do obstetra e psicoterapeuta Igor Tcharkowsky.

O post de hoje é especialmente dedicado a duas amigas que acabaram de receber seus nenéns!!! Elba Oliveira e Denise Martins!

Que seus filhotes recebam muito respeito e amor!!!!

Um beijo enoooorme!!!!!!

sábado, 28 de setembro de 2013

Dança do Ventre com Filhota

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=JYtje4pP-6I


Olá minhas Bellyssimas queridas!!!

É com muuito carinho que venho compartilhar um momento lindo e único que vivi recentemente com minha filhota Sofia Aimée.

Na Tenda Árabe, festa realizada pelo Studio Aisha Fahd em Fortaleza, dançamos juntinhas com wrap sling (Carona Baby - http://caronababy.blogspot.com.br/) de uma maneira deliciosa, cheia de conforto e segurança!!! Falarei posteriormente mais sobre o uso de Slings!!!

A dança foi um sonho!!! Essa foi a sensação que ficou para mim... Suave, cheeeeia de amor, confiança, tranquilidade, cuidado e de uma mistura intensa de sentimentos!!!

Nem quando dancei grávida foi tão bom!!!

Agora, com ela nos meus braços, tive um cuidado absurdo para não machucar ou  deixá-la inquieta, cisa que não tive que me preocupar quando ela tava guardadinha dentro de mim! Mas em compensação, a resposta tranquila que ela deu diante da dança e do público foi impagável!!! Foi um presente que nunca vou me esquecer!!!

E agora divido com vocês esse presente tão cheio de amor, de um amor intenso e verdadeiro!!!

\Beijos enooormes a todas!!!!!
Espero que gostem!!!!
Raquel.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Mooncup - Copo Coletor Menstrual

Minhas Bellyssimas queridas,
Quanto tempo sem nos falarmos, hein?! Mas hoje trago para vocês uma super novidade que acredito que muitas irão gostar! É o MOONCUP, um pequeno copo para coleta de menstruação, feito com material médico-hospitalar, que é aceito pelo corpo humano sem possibilidade de rejeições, alergias, etc. E é totalmente reutilizável, durando por cerca de 10 anos!

Ele é isento de látex, hipoalergênico e não contém corantes, alvejantes ou toxinas. Por não ser absorvente, não causa secura e não desequilibra a flora vaginal, tampouco os níveis de PH (35% do líquido absorvido pelos tampões é a umidade natural!). Além disso, traz marcações em suas paredes, facilitando a conferência com precisão acerca da perda de sangue menstrual, e permitindo uma avaliação mais apurada do ciclo menstrual com a(o) sua(seu) ginecologista.
Todas essas vantagens em sua saúde e mais a ação ecológica que você estará promovendo são razões suficientes para mudar essa prática feminina. Ainda mais quando leva-se em consideração que uma mulher utiliza mais de 11.000 absorventes descartáveis durante sua vida, não há como não se implicar neste evento mensal, que nos custa muito tempo, cuidado, dinheiro, etc...
O Mooncup (que é uma marca britânica) é uma alternativa viável para quem se preocupa com seu corpo, com a natureza e com seu bolso. Além disso, é muito prático, simples de colocar, de retirar, de higienizar, e conservar. É necessário apenas seguir à risca as orientações do fabricante. Que são as seguintes:
Para inserir o copinho basta dobrá-lo em V (unindo todas as bordas), agachar-se e relaxar para que a inserção seja realizada sem complicações. Daí em diante é só posicioná-lo internamente como se fosse um absorvente interno de algodão, deixando a pontinha final do copinho rente com os pequenos lábios vaginais. Desta forma, o copinho se abre naturalmente (por ser feito de material flexível) dentro do canal vaginal e proporciona uma vedação total, impedindo vazamentos.
Já para retirar o copinho é ainda mais simples, bastando agachar-se, relaxar e retirá-lo puxando pela mesma pontinha que ficou rente com os pequenos lábios. Atentar que, obviamente, o copinho virá com o líquido menstrual, portanto é necessário mantê-lo em posição horizontal, para que mantenha o conteúdo no seu interior.
A higienização é feita com água corrente e sabão neutro, e uma vez ao dia esterilizá-lo com água quente. Lembrando que, o copinho coleta sem vazamentos ou qualquer risco de contaminação por até 12 horas!!! Ou seja, só é preciso retirá-lo para higienização uma vez pela manhã e uma vez pela noite!!! Muito prático mesmo!!!
E para conservar é só, após a higienização, guardá-lo no saquinho de algodão que acompanha o coletor.
Eu testei e AMEI o copinho coletor de líquido menstrual. Recomendo mesmo a todas vocês e não sei como vivi todos esses anos sem ele, pois deu pra dormir, fazer exercícios físicos, nadar, tudoo sem nem me lembrar de menstruação!!! Mas é um produto para mulheres rigorosas com higiene, e que sobretudo, seguem à risca as orientações de uso do fabricante!!! Não adianta querer inserir ou retirar de outro jeito, nem ser indisciplinada com a higiene! Se for pra ficar na preguiça é melhor continuar com o velho modess do tempo da vovó!!!
Ahh... Ele é feito em duas medidas, uma para mulheres com mais de 30 ou que tiveram parto normal (tamanho A) e outro para mulheres com menos de 30 e que não tiveram parto normal (tamanho B).
Outro detalhe... Eu não indico de jeito nenhum para meninas que não tiveram relações sexuais, pois para inseri-lo pode ser muito difícil e chegar a machucar... 
Alguma de vocês já testou? Gostaram, foi difícil???
Para as que ainda não testaram, o que acharam da dica?

Um beijo enooormeeeee e até a próxima!!!

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

BB Cream ADA TINA Normalize FT FPS 30



Bellyssimas,

Uma dica de protetor solar ESCÂNDALOO!!! Curtam o final de semana com todo o sol que nele houver!!!!

Uso muito protetor solar no rosto e sempre testo desde aqueles com muito alto fator de proteção solar até os que têm proteção solar média, mas que têm outros benefícios. De todos os que já testei esse foi o mais honesto e que serve exatamente para o que preciso: pele protegida contra o sol, controle da oleosidade, poros progressivamente diminuídos, pele hidratada (macia e de aspecto suave), pele com imperfeições disfarçadas, inclusive olheiras e marcas de espinha.

O fabricante diz o seguinte:

“Normalize FT FPS 30 Ada Tina é o primeiro BB Cream com silício orgânico, desenvolvido com o conceito Beauty Balm Cream que reúne diversas propriedades em um só produto. Formulado com Pigmentos de Alta Performance, que proporcionam maior cobertura e homogeneidade à pele, disfarçando as imperfeições, combinado com Silício orgânico que controla a oleosidade e o brilho excessivo da pele. Possui filtros solares que garantem a proteção contra os raios UVA e UVB (FPS30): Tinosorb M e Tinosorb S, fotoprotetores de amplo aspectro com excelente qualidade cosmética; Uvinul A Plus, com proteção eficaz contra UVA e Uvinul T 150, um fotoprotetor UVB. Enriquecido com Acqua de San Pietro, a água termal da Ada Tina que possui excepcionais propriedades regenerantes, hidratantes, remineralizantes, refrescantes e suavizantes da pele. Normalize FT FPS 30 Ada Tina é um filtro solar com base que promove 12 benefícios em apenas 15 minutos, dentre eles: recupera a hidratação, disfarça as imperfeições, reduz a oleosidade e brilho e uniformiza a tonalidade da pele. Sua fórmula possui uma textura oil free, com toque seco, aveludado e de fácil aplicação. Dermatologicamente testado. Não contém parabenos e fragrância. Não comendogênico.”

Cada item desses é percebido durante o uso. A pigmentação é perfeita como base, e como é matificante, você não precisa usar pó sobre ele, e ainda assim fica com a pele super aveludada.

A proteção solar é condizente com o FPS30, que funciona bem para exposições solares sem muita intensidade.

Além disso, os poros vão cada vez mais sendo retraídos, sem entupi-los, logicamente.

Dura o dia todo! Eu passo de manhã, pego sol, suo, e a pele permanece bonita, sem brilho excessivo, e sem derreter.

Estou encantada, pois assim você pode tanto sair para os afazeres do dia-a-dia, como também ir à praia e ficar com a pele linda.

O detalhe está apenas na aplicação que tem que ser rápida, pois como é sem óleo, seca ligeiro e, se você não espalhar direito fica borrado!

Super indico este BB Cream!!! Está na minha lista de queridinhos!!!

E aí, Bellyssimas, gostaram da dica¿

Beijos e ótimo final de semana com o rostinho protegido do sol!

Onde Encontrar:


terça-feira, 20 de agosto de 2013

Pra Nhá Terra – Com os grupos Ponto de Partida e os Meninos do Araçuaí


O espetáculo musical “Pra Nhá Terra”, estreado em 2008, que reuniu os grupos Ponto de Partida e Meninos do Araçuaí, está em DVD, para o deleite daqueles que não puderam deliciar-se com esta esplendorosa apresentação.

São mais de 50 artistas, de diversas idades (desde 5 até 52 anos), em cena que interpretam canções originais do Ponto de Partida e de Milton Nascimento, Tavinho Moura, Fernando Brant e Márcio Borges.

Estas canções dão o brilho original deste musical brasileiro, que aborda de maneira lúdica, inteligente e, sobretudo, apaixonada, as questões da preservação ambiental e da necessidade de um resgate, por parte do Homem, do amor pela natureza.

Artistas multifacetados emocionam o publico com textos escritos pelo poeta Manoel de Barros, e dão um show com interpretações e figurinos impecáveis!

As músicas são tão encantadoras quanto o talento dos atores, que realizaram claramente um trabalho de preparação intenso e minucioso.

O espetáculo foi concebido pelo Ponto de Partida, um dos grupos teatrais mais cultuados do país. Fundado em 1980, em Barbacena, por artistas que decidiram que não deixariam a cidade, mas também não aceitariam os limites da província, tornando-se uma companhia de repertório, itinerante, independente, com 20 profissionais em exercício permanente, 30 espetáculos montados, com apresentações pelo Brasil, África, Europa e América do Sul.

Segundo a diretora Regina Bertola, o espetáculo se apresenta não só como um alerta, mas como uma proposta de reconciliação entre o Homem e seu habitat.

Em todos os lugares em que se apresentou, ao final, a plateia se coloca como cúmplice na tentativa de restaurar a Terra como lugar apropriado para as borboletas e os meninos.

A história é costurada pelas canções que conduzem o público à aventura de encontrar motivos de esperança para que Tatu, guardião do ventre de Nhá Terra, saia do buraco e permita que outra vez a vida se recomponha.

Não deixem de assistir e, principalmente, incentivar e esclarecer as crianças acerca de temas sobre preservação ambiental e o dever de todos de cuidar do lugar onde moram! Com os pequenos gestos do dia-a-dia! Com o exemplo!

É responsabilidade de cada um de nós cuidar do lugar que nos cerca e educar os pequenos, desde muito pequenos, para que cresçam com esse entendimento!

Para assistir a um trecho do espetáculo:

Para comprar o DVD:

Espero que assistam, se emocionem e divulguem esse trabalho tão primoroso feito por gente da nossa terra =)

Beijos a todos!!!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Ai Meus Sais... Água Termal, uma frescura?


As águas termais, apesar de algumas pessoas as considerarem frescura, têm comprovadamente propriedades calmantes, tonificantes e hidratantes. Ajudam a nutrir, hidratar e aliviar sintomas como irritações causadas por depilações, dias muitos quentes ou frios, excesso de exercício físico, ardores provenientes de tratamentos com ácidos, etc.

Há quem ache que a água termal é apenas ‘água engarrafada”, mas os dermatologistas garantem que não. Afirmam que a concentração de sais minerais presente nessas águas são muito superiores à concentração de minerais em águas engarrafadas para bebida, e uma coisa não é equivalente nem pode ser usada como se o fosse. Por isso, nada de beber água termal, nem de passar água mineral no rosto achando que vai obter os mesmos resultados. Água termal é um cosmético!

Este produto está cada vez mais nas prateleiras das farmácias brasileiras e dos banheiros das brasileiras. Pois entre suas funções está também a de criar uma barreira de proteção na pele, que ajuda a evitar a ação de agentes agressores como poluição, radiação UV, fumaça de cigarro e sujeira, tudo isso que a gente tem que aturar no nosso dia-a-dia!

Existem várias marcas de águas termais, especialmente se incluímos na lista as que estão disponíveis nas lojas virtuais.

Entretanto, nas lojas de Fortaleza encontramos as seguintes marcas:
- Água Termal da La Roche-Posay
- Água Termal da Vichy
- Água Termal da Avène

O preço é bem próximo um do outro...  Em torno de R$50 e poucos. Entretanto, o resultado varia de acordo com a composição e concentração de minerais de cada um.

Eu estou usando (e amaaaando) a da La Roche-Posay.

Meus poros que estavam absurdamente dilatados, agora estão gradualmente diminuindo, e a textura da pele cada vez mais suave!!! Dá pra acreditar??? Eu estou fascinada e recomendo demaaaais!!! Usem sem medo e sem achar que é frescura!!!

Pesquisando pela net, encontrei uma opção brasileira, para a minha surpresa... A água termal de Lindoya.

De acordo com alguns reviews que li inicialmente, as blogeiras afirmavam que a água termal brasileira não deixava nada a desejar das francesas. Entretanto, após testar na minha pele, achei o resultado da La Roche-Posay melhor para o que quero, que é suavizar os poros dilatados e manter a oleosidade da pele equilibrada. A da Lindoya também cumpre exatamente com o que promete, pele fresca e hidratada, mas acho que por conta da água da La Roche ter alguns minerais em maior concentração o efeito de contração de poros foi superior.

Mas pelo preço, vale a pena demais! Enquanto as gringas estão em torno de 50 dinheiros, a nacional está por menos de R$20!!!

Se você quiser provar, está à venda no site da Lindoya e na NetFarma também! Aí é só entrar num desses sites e adiquirir a sua água termal 100% tupiniquin!!! UAU!!! As francesas que nos aguardem!!! =)

Por hoje é isso, Bellyssimas!!! Espero que tenham gostado das dicas!!!

Um beijo enorme!!!
Quel.


quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Por que fingimos que ser mãe não muda nada?



A Máscara da Maternidade

Criar filhos talvez seja a tarefa mais difícil que as mulheres realizam na vida. O papel de mãe é diferente, em grau e estilo, de qualquer outro papel desempenhado por uma mulher. Deixando de lado a questão do "instinto", a maternidade é algo em que as mulheres são impelidas a pôr todo o seu ser: corpo, alma, inteligência e espírito. Depois que a mulher se torna mãe, suas relações afetivas nunca mais serão as mesmas - a presença da criança transforma completamente a visão que a mulher tem de si mesma, afeta sua vida sexual, relações de trabalho, etc.
A autora, Susan Maushart, revela neste livro o quanto as mulheres estão despreparadas para a maternidade. Não só para a trabalheira insana, mas, sobretudo, para conflitos e transformações profundas que vêm junto com ela. Poucas mães mencionam a crise psíquica que envolve o nascimento do primeiro filho, o despertar de sentimentos enterrados há muito tempo sobre a própria mãe, a mistura de poder e impotência, a sensação de ser levada, por um lado, e de tocar novas potencialidades físicas e psíquicas, por outro.
A Máscara da Maternidade oferece uma visão realista dos bastidores do que é ser mãe hoje em dia - da gravidez e do parto ao malabarismo que é a vida das mães que trabalham fora.
Uma reflexão que faz pensar que medos, frustrações e confusões dos primeiros tempos da maternidade não são prova de fracasso pessoal, mas do fracasso de expectativas extravagantes e de demandas conflitantes.
"Susan Maushart escreve de forma atraente e convincente sobre o fato de que as mães de hoje sentem mais pressão do que nunca para se mostrar felizes com suas escolhas." People
Susan Maushart é PhD em comunicação e artes pela New York University. Trabalhou como consultora de comunicação, professora universitária e roteirista de programas humorísticos. Depois de migrar para a Austrália, dedicou-se a escrever sobre o universo feminino, e seus livros tornaram-se sucesso nos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Espanha, Itália, Holanda e Hungria.
A Máscara da Maternidade
De Susan Maushart; Série Auto-Ajuda
15,5 x 23 cm  -  Brochura 336 páginas
Editora Melhoramentos

Espero que gostem da dica de leitura... Para as que não iniciaram seu percurso de análise, ler é uma forma de criar dúvidas e ser incitada a iniciar esse trabalho longo de desvendar-se...
Beijos, minhas Bellyssimas queridas!!!

terça-feira, 13 de agosto de 2013

A barriga da princesa... O buraco existencial que a barriga deflagrou!



Hoje, uma amiga me encaminhou uma matéria da Carta Capital sobre o frisson que rolou quando a Duquesa de Cambridge apareceu com a barriga proeminente após ter parido o futuro rei da Inglaterra.

De acordo com a matéria, o mundo jornalístico, aparentemente, estava “horrorizado” com o fato de ela ter aparecido em público com a barriga de pós-parto em uma roupa que a evidenciava. Como se pela primeira vez na história da humanidade uma mulher tivesse saído da maternidade com a barriga grande!!!

Ainda nesta matéria, foi dito que a Duquesa rompeu com um padrão de beleza exigido por uma mídia que ganha muito dinheiro com os anúncios dos produtos de beleza, e que por isso, está sempre ao dispor dessa indústria criando ideais de beleza inatingíveis, a fim de mantê-la sempre com um volume absurdo de consumidoras ávidas pela tal beleza prometida nos cosméticos. E finalizou convocando as mulheres a se rebelarem contra este padrão midiático e machista que enfraquece a mulher politicamente, uma vez que ela fica feito louca tentando ser bonita em vez de ser politicamente ativa.

Li a matéria e fiquei pensando sobre o assunto... Concluí que existe algo por trás dessa bola de neve da beleza, que vai muito além de uma mídia forte o suficiente para convencer multidões e desarticular as mulheres de seu poder político na sociedade. Há algo que falta a essas multidões e que a mídia, com suas promessas de obtenção de uma beleza fácil e rápida, capturam-nas facilmente. Acredito que tudo que se propõe ser rápido e fácil levanta dúvidas e suspeitas. Tanto faz se isso é proposto por mídia, ciência, religião ou qualquer outro detentor de suposto saber.

Acho que existe algo que falta aos homens, e não acho isso somente por ser psicóloga, mas por ser gente, antes de qualquer coisa. O ser humano é isca fácil desse tipo de armadilha porque está sempre em busca de algo que tampone este vazio existencial. Cria-se a ilusão de que se esta demanda por parte do mundo de ser magro, inteligente, rico, branco, etc for respondida à altura, então aquele que respondeu à demanda do mundo será premiado com amor. E em troca disse amor, perde-se a dimensão do que realmente se deseja, perde a dimensão de si mesmo!

Toda pessoa precisa ter marra para conseguir segurar a onda de ser quem é, mas também precisa de muita análise para perceber que sempre haverá um buraco dentro de si (e aqui leia-se: em cada um de nós!), incapaz de ser preenchido por mais que se desdobre para ser de uma maneira X, Y ou Z. Esse vazio é inerente à existência do ser humano, e não há cosmético, nem emprego, nem filho, nem droga (ilícita ou lícita), nem marido, nem comida, nem mãe, ou amigo, enfim, nada nem ninguém que possa tapar esse buraco! Faz parte da vida essa falta... E assumir isso dói e custa muitíssimo até que se aceite meramente essa verdade!

Entretanto, muitas pessoas acreditam que se fossem amadas, tapariam este buraco existencial doloroso... E em nome disso, se submetem a tudo e a todos, sem nem por um segundo se perguntarem se isso faz parte de seu desejo. Movidas, simplesmente, pelo medo de serem odiadas ou de perderem o amor de alguém.

Vim de uma família de muitas mulheres... Mulheres de vários tipos (físicos e de mentalidade), e isso me fez sempre refletir muito sobre “ser mulher”, pois cada uma, com seus pensamentos sobre a vida, iam me impondo sua própria maneira de ser mulher, seja uma maneira mais revolucionária (não aceitando o machismo e as grandes barreiras contra a mulher), ou sendo de uma maneira mais conservadora (sendo dona de casa, etc).

Nessa miscelânea de seres, fui aprendendo, principalmente, a me impor, pois apesar de haver uma variedade imensa de tipos de mulheres com quem convivia, cada uma queria que seu ponto de vista fosse o certo a ser seguido! Desta forma, tinha que saber lidar com a luta de poder entre homens e mulheres, mas também a luta de poder dentro do mundo feminino (que afirmo com convicção, não ser menos hostil do que qualquer outro).

Aos poucos, fui criando marra para poder mostrar o que eu era, para segurar a onda de ser diferente delas, mesmo havendo coincidências. Para todas, o lado em que havia choque era sempre mais aparente do que o lado em que coincidíamos. Por isso, não fazia tanta diferença se eu estudava o dificílimo Lacan, pois depois eu me maquiava e me enchia de brilho para dançar, e isso era muita futilidade. E nem tampouco importava se eu era uma super mãe extremamente amorosa e dedicada, se depois eu dialogava com o meu marido ou com meu chefe de igual pra igual, e sustentava as minhas idéias com tanta firmeza quanto eles, “como se quisesse ser homem”.

Todas essas mulheres estavam insatisfeitas com a Raquel, pelo menos em parte. E ser firme sobre quem você é, diante de pessoas que você ama, é muito mais difícil do que ser firme no trabalho no meio de um monte de homens (alguns extremamente machistas). Foi preciso ser muito macho pra poder enfrentar essa mulherada, sempre exigindo mais e mais. E sempre colocando (sutilmente) o amor delas por mim na berlinda. Foi preciso ser firme e não ter medo de arriscar esse suposto amor para poder ser quem eu queria ser e quem eu era!

Lacan fala, em um de seu textos, que “se procure a mulher”, ou seja, é preciso saber para que mulher esta pessoa está endereçando o seu olhar, para entendermos melhor esta pessoa. É preciso estarmos atentas sobre o olhar que endereçamos a esta mulher, para que quando este olhar recair sobre nós, possamos nos manter firmes sobre o que somos, o que queremos ser e o que podemos ser. E assim, não nos violentarmos na incessante tentativa de atender à demanda desta outra.

Quando vi a foto da duquesa achei sensacional a barriga de pós-parto aparente, que ia na contra mão de todas as fotos de celebridades que escondem com cintas absurdas suas barrigas de mãe.

Por que ser mulher tem que significar ser mãe, tem que significar ser linda, bem sucedida profissionalmente e amorosamente? Quem disse isso? Para quem as mulheres do mundo estão endereçando seus olhares quando abrem suas bocas e dizem “Nossa, você viu como a Angelina Jolie está linda, bem casada, mais rica do que nunca? E acabou de ter bebê!”... Existe um imperativo sobre o que é ser feliz no mundo hoje, e sobre isso também é preciso se pensar! É preciso se pensar sobre isso, e TAMBÉM sobre o porquê de tantas pessoas (homens e mulheres) se renderem totalmente a esses imperativos de felicidade. Será que é porque é muito mais fácil se render do que bater o pé e ser firme sobre quem se é de verdade? Será que é porque dói muito ser hostilizado pelo outro quando não se responde a uma demanda de amor que exige ser magra, rica, inteligente, bem casada e por aí vai...?

A força de uma pessoa está diretamente ligada a sua capacidade de lidar com o que é diferente de si. Saber conviver e respeitar o outro com as suas diferenças de pensamento, de etnia, de classe social, etc.

Isso é, obviamente, um treino diário... Pois assim como temos que ter essa força interior para lidar com o outro que é diferente de nós, temos que, antes disso, termos tido força para suportar as discrepâncias que habitam em nós mesmos, ou seja, a discrepância e, às vezes, abismos que existem entre a pessoa que sou, a pessoa que eu quero ser e a pessoa que eu posso ser... Diariamente lidamos com estas três instâncias que, para alguns, são amigas e dialogam entre si (mesmo com suas diferenças), mas que para outros são irreconciliáveis...

Essa “irreconciliação” é que nos torna tão intolerantes com os outros, pois se não soubemos dialogar com as diferenças que habitam em nós mesmos, como podemos dialogar com as diferenças que habitam fora de nós? É uma tarefa impossível. Assim como a tarefa de agradar a todos que exigem que sejamos uma pessoa perfeita.

Por tudo isso, achei incrível a audácia da duquesa que assumiu (perante todos os que absurdamente a exigiam uma perfeição inatingível) ser uma mulher naturalmente bela, que vive sua maternidade exatamente com o que ela trás, incluindo a barriga pós parto!

Ser bela não significa responder à demanda de amor do mundo fantasioso das mulheres perfeitas. Não! Longe disso! Ser bela é estar em sintonia com sua própria existência e tudo o que ela trás consigo! Ser bela é ter respeito por si, antes de qualquer coisa! É respeitar seus desejos e seus limites! Só assim podemos olhar para nós mesmas e, neste encontro ou desencontro, ver, fazer e ser beleza!

Que a partir desta audácia, possamos parar para refletir sobre o quanto cedemos aos imperativos do mundo, e o que disso tudo realmente faz parte do seu desejo, e não do desejo do outro.

Sejamos corajosas, minhas queridas Bellyssimas, para sermos belas a partir do que realmente somos, com todas as nossas limitações (de corpo, de inteligência, de grana, de presença de espírito, etc...).

Um beijo grande na barriga de cada uma de vocês!!!!




segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Camomila Versátil

Camomila Versátil: Sabia que o chá dessa florzinha é milagroso?
Entre efeitos saudáveis e embelezadores, a florzinha é realmente eficaz e bem mais útil do que muita gente imagina. Preparadas, Bellyssimas, para desfrutarem de seus benefícios?



Cidreira, erva-doce, boldo, carqueja... com certeza você já ouviu falar de alguns desses e muitos outros chás. Seja por seus efeitos calmantes ou emagrecedores, fato é que o resultado do uso dessas essências já ganhou fama. Mas será que elas servem só para o que popularmente conhecemos? Se estivermos falando da CAMOMILA a resposta é não. A seguir tudo o que esse chazinho pode fazer por você:

* Acalmar
Essa é a propriedade mais conhecida desse chá e não é para menos. Experimente aderir ao ritual de tomar uma xícara que seja no meio do expediente e note como será mais fácil lidar com as pendências e problemas do dia a dia;

* Reduzir as chances de câncer
Estudos realizados pelo American Journal of Clinical Nutrition revelaram que o consumo freqüente da bebida pode reduzir as chances de desenvolvimento de câncer no cérebro;

* Prevenir contra doenças do coração

Os mesmos estudos garantiram que a camomila previne o aparecimento de doenças do coração;

* Clarear os cabelos
Não é a toa que muitos xampus levam esta florzinha em sua composição. Para clarear as madeixas basta fazer um chá de camomila e jogá-lo sobre os fios. Logo em seguida corra para o sol! Mas atenção, isso só vale se você já tiver a base dos cabelos mais claros, tá?

* Eliminar olheiras e inchaços
Dá para acabar com esses probleminhas, que normalmente não têm muita solução, de um jeito bem rápido. Faça o chá de camomila bem concentrado, coloque no congelador por um tempo, retire antes que ele congele e com esse líquido geladíssimo faça compressas de algodão. Aplique embaixo dos olhos ou até mesmo em outras partes do rosto por 10 minutos e pronto;


* Combater a TPM
Estudo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) provaram que a camomila é um aliados naturais contra a TPM. Ela alivia crises nervosas e sintomas de ansiedade;

E aí, Bellyssimas, gostaram da dica?
Deixem seus comentários!
Beijos!!!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Mola Chinesa para Depilação Facial



Olá Bellyssimas!!!

Hoje a dica é para aquelas moçoilas que, assim como a que vos escreve, passaram mais de uma vez na fila dos pelinhos faciais quando Deus as criou!

Eu sou peluda, e não é só no rosto, é em toda parte mesmo! E pra piorar a minha triste condição, tenho alergia a todo tipo de método depilatório, exceto cera quente.

Então, tenho que me submeter ao que chamo de tortura chinesa (depilação com cera quente) sempre que os pelinhos dão o ar de sua graça! E esperar que eles deem o ar da graça é ficar estilo macaca Jane até crescerem o suficiente para a cera conseguir arrancá-los. Isso sem falar na parafernália para realizar a bendita depilação (panelinha elétrica para derreter a cera, a cera, papel para depilação, palitinho de picolé...) Concluindo, é um terror ser peluda, as que são me entendem... Por isso, a dica da molinha é 10!

Como a bendita molinha chegou até mim:

Como sabemos, depilação já é uma coisa dolorosa e chata, imaginem no rosto!

Quando uma amiga queridíssima me presenteou com a bendita molinha pensei de cara “Isso deve doer pra caramba... Mas será que funciona mesmo? Ou seja, será que o custo benefício vale a pena?” E depois pensei “Será que vou ter alergia com esse método de depilação?”...

Chegando em casa, depois de higienizar a pele do rosto, olhei pra molinha, ela olhou para mim (com aquela cara de mini-vibrador que ela tem) e eu conclui que, já que tenho mesmo que me submeter à tortura chinesa da cera, sempre que tenho que me depilar, que a depilação fosse testada com tudo que tinha direito, inclusive com a tal molinha chinesa!!!



Comecei a sessão depilação a la chinesa de acordo com o orientado pela amiga, curvando a molinha em “c” e girando as extremidades, fazendo com que a rotação da mola retirasse os pelos fininhos do buço (ou bigode, para as íntimas). No início, dói bastante, mas depois você vai se acostumando e, com a prática, cada vez dói menos e arranca mais pelinhos.

Eu só tiro o buço, mas a molinha é indicada para toda a região facial. Mas, mulherada, pelamordedeus não me vão tentar fazer as sobrancelhas com isso, não!!! Vocês vão debastar as coitadas!!!

Enfim, para a minha feliz surpresa... A dor é totalmente suportável e o resultado é excelente!!!

Pele lisinha, pelos retirados pela raiz (o que me garante muitos dias sem pelinhos, além de não causar irritação na pele), pouquíssima vermelhidão (se comparado com a cera quente), tudo isso em poucos minutos e sem precisar de uma parafernália absurda, apenas a molinha...

A molinha chinesa passou totalmente no teste, Bellyssimas!!! E olha que de depilação eu entendo demaaais!!! Anos testando métodos e mais métodos de depilação...

Numa escala de 0 a 5
·         Quesito dor: no máximo 2 ( 5=aquela dor de bater o cotovelo na parede)
·         Quesito realizar a depilação: 5 (super fácil realizar a depilação, até minha filha de um ano já tem motricidade pra isso)
·         Quesito higiene: 5 (facílimo limpar, só puxar as extremidades e soprar que os pelinhos voam)
·         Quesito preço: 5 ( super acessível, dá pra comprar no Mercado Livre por menos de R$10, basta colocar Mola para Depilação)
·         Quesito praticidade: 5 (super prática para levar para qualquer lugar, desde viagens, até na bolsa para uma eventual necessidade)

TOTALMENTE APROVADA!!! Recomendo demais!!!

Segue link no Mercado Livre para vocês verem:

Alguma de vocês já testou a molinha?

Deixem seus comentários!


Beijos!!!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Dança e Maternidade Unidas pelo Amor - Grupo Mater



Hoje, queridas, trago para vocês um grupo de Dança do Ventre totalmente Belly(dance) e completamente Mama, o Grupo Mater, formado por quatro bailarinas, mães e profissionais de outras áreas, além da dança, que uniram todas as funções em uma só! Tudo com o auxílio do Wrap Sling, um sling feito com vários metros de tecido, que dá liberdade de movimentos para a mãe sem prejudicar o conforto do bebê. Isso eu digo com conhecimento de causa, pois uso até hoje meu wrap sling com a minha filhota!

O Belly Mama apoia todas as mamães que acreditam que a maternidade é algo para ser vivido em sua plenitude! Parabéns ao Grupo Mater por essa iniciativa! Que muitas mães possam saborear a delícia que é dançar com seu filhote!

Assistam e se emocionem com esta dança mágica!!!!

Abaixo segue release do Grupo Mater:

Muitas mulheres que optam pela maternidade e também tem o desejo de desenvolver-se profissionalmente, geralmente veem-se num dilema: abrir mão de fazer suas atividades para cuidar do bebê ou delegar os cuidados do bebê a terceiros para continuar suas atividades? Muitas vezes, isso gera sofrimento tanto para a mãe quanto para o bebê.

Em algumas culturas, no entanto, é comum observar as mães carregando seus filhos presos ao corpo enquanto realizam suas atividades cotidianas normalmente e ainda usufruindo do prazer de ter essa troca intensa de carinho. O bebê que compartilha as experiências da mãe, junto ao seu corpo, se desenvolve melhor.

Com base nesta ideia que foi criado o Grupo Mater, primeiro grupo de Dança do Ventre para gestantes e mulheres com bebês de colo. Este grupo foi idealizado graças à parceria de Juliana Leme e Natalia Salvo que, além de bailarinas e professoras de Dança do Ventre, são, respectivamente, fonoaudióloga e socióloga, além de ambas serem divulgadoras da maternidade ativa.

Participam também deste projeto as bailarinas Élide Paliliunas, gastrônoma, e Tatiana Lamas, educadora física e professora de Dança do Ventre.

Este projeto possibilita que as mães possam realizar sua dança fortalecendo o vínculo com seu bebê de forma bastante segura já que o wrap sling (longo tecido amarrado ao corpo da mãe de forma apropriada) proporciona autonomia de movimentos para a mãe sem prejudicar o conforto dos bebês.


Além das vivências para gestantes e mães com bebês, o Grupo Mater atua prestando assessoria em alimentação, amamentação, educação física e orientações relativas à gestação, parto e maternidade.

Site do Grupo Mater: www.grupomaterdv.blogspot.com.br

PS. :Farei uma resenha especial, futuramente, sobre os vários tipos de baby sling's!!!

E aí, Bellyssimas, é lindo demais, não é?!
Beijos!!!